Versos Ofídicos

Algumas linhas ofídicas (mas não ofensivas), venenosas (mas não mortais)...

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Uma Noviça Nada Rebelde

Era um sonho de criança para ela levar uma vida benfazeja, dedicada exclusivamente à vontade do Senhor, ainda que para isso tivesse de ficar reclusa naquele airoso e pacífico convento, renegando aos caprichos seculares em prol do exercício da fraternidade cristã. Passara por quase toda a burocracia necessária para ser elevada ao status de noviça, sendo que, para que tal promoção se efetivasse, seria preciso passar pelo crivo da madre superiora, como era praxe naquele santuário feminino. E eis que estava ali, frente a frente à grande madre para a última sabatina.

A senhora segurava entre as mãos o relatório biográfico da candidata, o qual lia concentrada e com expressão sisuda e impassível. Estranhando o perfil da moça, resolveu começar por confirmar alguns dados que cuidava para não pré-julgar incongruentes.

- Nome?
- Bianca Rosemberg, madre.
Os muitos anos de hábito, oração e penitência, evidenciados nas rugas habilmente desenhadas pela caneta do tempo, condicionaram a madre de tal forma que ela nunca julgava ninguém por modos, aparência, trejeitos ou coisa que os valha. Mas, ao ouvir a designação da candidata não conseguiu frear um pensamento tão fugidio quanto pecaminoso: “nome de puta”.

- O que fazia da vida antes de resolver se dedicar à santimônia?
- Eu era, digamos... uma mulher de vida fácil.

A madre reparou que não tinha lido sobre isso na biografia da menina. Lembrou-se de Maria Madalena e, indiferente, perguntou sutil e pausadamente:

- Eu não entendi, senhorita.
- Então, madre: meu pai é um homem muito rico. Eu sempre tive tudo o que quis ao meu alcance, nunca tive nada por esforço e merecimento próprios. Cansei dessa exacerbação da vida material e resolvi me dedicar à espiritualidade, por isso estou aqui. Cansei das facilidades mundanas – o semblante de Bianca manifestava sincera puerícia. - Acho que as meninas colocaram tudo isso aí nesse papel, dê uma olhada.

“Bem, também não se tem certeza de que Maria Madalena é uma meretriz”, pensou a madre. Entretanto, depois da observação da pleiteante, ela resolveu que ia cuidar para não esboçar a possibilidade remota de talvez cometer uma gafe. E continuou a ler o escrito:

- Ensino médio completo... mini curso de música sacra... voluntária no grupo de crisma...
- Eu queria dar pro padre!

Dessa vez a madre soltou um incontido gemido de susto. Franziu a testa e, lentamente, desviou o olhar sério para Bianca. A candidata segurava um pequeno escapulário e um crucifixo nas mãos.

- Era do meu avô. Sabe, ele foi o único que me apoiou desde quando tomei essa decisão. Morreu há duas semanas – interrompeu sua fala por conta dos soluços da saudade. O olhar casto estava marejado.

A madre resolveu mudar de assunto por dois motivos: para que a menina se distraísse da lembrança gran-paterna e para que ela mesma se distraísse de eventuais pensamentos impuros, os quais tentava de todas as formas evitar. Começava a achar que a menina estava brincando com ela.

- A senhorita gosta de animais, Bianca?
- Sim, sim, gosto muito grande madre. Nesse sentido sempre fui incompreendida justamente por acharem que eu tenho um gosto excêntrico em se tratando de bichinhos. Mas, fazer o quê, né? O mundo animal não é só dos cachorros, gatos ou cavalos. Até reparei no pequeno zoológico ao fundo do nosso prédio. Fiquei encantada!

Na verdade, a madre não queria aquela garota dentre as outras. Em menos de dez minutos de conversa a menina lazarenta já tinha ressuscitado pensares impuros que a madre suprimia com sucesso havia 40 anos. Para conseguir um motivo, resolveu explorar o lado materialista da menina. Já que era filha de gente rica, haveria alguma necessidade do mundo concreto na qual considerasse indispensável, e era ali que a menina seria pega.

- Existe algo que a senhorita não tem e que gostaria de ter?
- Um pinto!

A madre, horrorizada, lançou um berro estridente que se fez ouvir por toda a comunidade conventual. Por um instante não soube como reagir à resposta de Bianca.

- Mas... como assim... minha filha... do que você está falando?
- Ué, madre. Não falávamos de animais? O Zoológico? Então... eu sei que isso não é normal, mas gosto dos galináceos. Há quem goste de gatos, cachorros. Eu gosto de galináceos: pinto, frangote no máximo. Passou daí está pronto pra panela. Temos que comer, né? Madre? Madre?

A madre superiora tinha se retirado. E depois daquele dia nenhuma das freiras nunca mais a viu nem teve notícias concretas sobre. O último cochicho é de que ela está se dedicando à meditação e vive no ostracismo num mosteiro medieval indiano.

Bianca Rosemberg foi ordenada noviça através de documento devidamente assinado pela madre. E desde então desempenha um importante e bonito trabalho solidário na comunidade.

4 Comments:

  • At 5/5/07 11:22 AM, Anonymous Naíse said…

    oi, amei seus textos, muito legal seu blog, nota 10,esse comentário é até pouco para palavras tão bem escritas como as suas.
    belo fim de semana

     
  • At 16/10/07 10:07 PM, Blogger Ana Clara Rizério said…

    Não li o que escreveu.
    Mas, numa noite daquelas em que você precisa conhecer alguém, resolvi pedir um pouco da mais humilde ajuda ao meu amigo Google, digitando palavras nada peculiares do tipo 'moro em vitória da conquista', que nada mais retrata além de minha mera condição.
    Li sua crítica à cidade. Tenho muitos comentários a tecer.
    Quem sabe em alguma outra oportunidade... Numa visita a cidade, ou algo do tipo.

    Sou apenas uma navegadora desocupada. Por qualquer razão, desconsidere o comentário. Ah, sei lá, talvez nem chegue a ler isso aqui, mesmo.

    Um abraço.

     
  • At 27/10/07 7:58 PM, Blogger Ana Clara Rizério said…

    Já que entendeu, me sinto no direito de continuar a seção comentários.

    Você não mora mais em conquista, não, né? Que pena.
    Alguma previsão de visita? :)

    Até que eu gosto dessa coisa de blogs. É até melhor que qualquer tipo de chat ou orkut no quisito 'conhecer pessoas'.

    hahahah que bom que te fiz se sentir importante! sei lá, acho que é bom fazer esse tipo de coisa pelo menos uma vez na vida, conhecer gente nova, sair da rotina...
    Às vezes o ócio faz bem, hein..

    Abraço. :*

     
  • At 22/11/07 11:25 AM, Blogger Ricardo Ferreira said…

    Eu acabei com a minha preguiça. Acabe você também com a sua! Aguardo postagens.

    Abraço fraternal!

     

Postar um comentário

<< Home